Como a Inteligência Artificial pode interferir na Jornada de Compra

A maneira como consumimos informações, fazemos e escolhas e compramos está mudando graças à Inteligência Artificial.

A alguns anos atrás,  ter uma conversa em linguagem natural com um robô era praticamente impossível. Os chatbots funcionavam como serviços complementares, com mensagens automáticas e sem nenhuma inteligência agregada. Com isso, muitos consumidores ficavam frustrados em receber mensagens “prontas” que poucas vezes traziam alguma resolução rápida e realmente eficaz.

Mas aos poucos isso está sendo mudado com a ajuda da tão conhecida Inteligência Artificial, que está se incorporando em diversas funcionalidades cotidianas e premeditando grandes mudanças no comportamento dos consumidores e dos varejistas perante a experiência de compra. A utilização de IA será fator crítico para impactar nas estratégias e inovações de qualquer segmento, bem como na comunicação entre consumidor e marca, quando elevamos a tecnologia à melhorias de sistemas operacionais e até mesmo de vendas (assistente virtual transacional – shopbot).

Embora fatores como o aprendizado natural da máquina (machine learning) e processamento da linguagem natural (PNL) sejam suscetíveis a erros, conversas entre humanos e robôs já são quase imperceptíveis em muitos casos. Varejistas como Amazon, Walmart e Target estão constantemente avançando com tecnologia dentro de seus próprios ecossistemas digitais para transformarem o mundo do varejo. Não é à toa que muitos varejistas brasileiros se inspiram em estratégias desses grandes players.

Abaixo um exemplo de tecnologia desenvolvido pela Amazon que funciona como um hub de doméstico inteligente que pode ser conectado a outros dispositivos compatíveis. O Echo Plus é um alto-falante 360º  que se conecta ao Alexa Voice Service para fazer perguntas, fazer ligações, informar sobre notícias, placares esportivos, previsão de tempo, etc.

 

Utilização da Inteligência Artificial

O estudo Embracing the Machines: AI’s Collision with Commerce, recentemente lançado pela The Integer Group, revelou que os consumidores estão curiosos em relação à aplicação da Inteligência Artificial no varejo atualmente, e estão muito ansiosos sobre o futuro do varejo com IA daqui 5 anos.

Cerca de 70% dos entrevistados utiliza algum recurso de Inteligência para procurar as melhores ofertas e valores de produtos que compram regularmente ou planejam comprar, já 46% permitirá que a IA tome decisões de compra pelo próprio consumidor.

78% das pessoas falaram que o principal benefício de tornar a tecnologia responsável pelas compras é a economia de dinheiro, enquanto 74% acredita que a IA poderia ajudar encontrando os melhores negócios para eles.

Agora se a Inteligência Artificial fosse uma pessoa, cerca de 57% das pessoas gostariam que ela fosse um assistente pessoal 24 horas, enquanto 35% gostariam que fosse uma pessoa para fazer serviços gerais da casa e 25% para ser um coach (treinador físico).

Outro ponto analisado da pesquisa foi o impacto da tecnologia para as gerações X (1965 – 1984), Y (1985 – 1999) e Z (nascidos em 2000). As gerações Z e Y se mostram curiosas sobre o impacto da tecnologia nos dias de hoje, enquanto 80% da geração X se sentem curiosos. Em relação aos chatbots, 50% dos nascidos depois de 2000 usam ou estão dispostos a utilizar essa ferramenta, já para a geração X o número desce para 40%.

Chatbots e Inteligência Artificial

Para fazer compras, 46% das pessoas utilizam chatbots e 40% utilizam comando de voz. Especialmente no setor varejista, os assistentes virtuais chatbots são responsáveis por ajudar os consumidores a terem respostas mais rápidas (24/7) sobre produtos e serviços do que procurar um vendedor, ligar para o atendimento ou SAC ou até mesmo esperar muito tempo por uma resposta. Além disso, a união de ferramentas de IA e os chatbots podem ser vitais para monitorar e extrair insights sobre o consumidor melhorando a comunicação e estratégias mais assertivas de venda.

De acordo uma pesquisa realizada pela Grand View Research, empresa de consultoria e pesquisa dos EUA, o mercado global de chatbots deverá atingir US$ 1,23 bilhão em 2025. A tendência de consumidores cada vez mais conectados reflete na existência de canais de atendimento mais inteligentes e rápidos.

Com aprendizado da máquina e profissionais de TI cada vez mais engajados em criar sistemas semelhantes à inteligência e cognição humana, no Brasil, o exemplo de chatbot transacional, o Shopbot Omni, é uma interface de venda desenvolvida pela Neomode, em parceria com a Enfoca Chatbots, para integrar estoque da loja física, transformando-a em um mini centro de distribuição. É simples, o cliente conversa com o bot no Messenger ou no software implementado no site e faz a compra no próprio chat, através de comandos inteligentes o bot consegue responder rapidamente as dúvidas do comprador e transacionar a venda com segurança. Outra finalidade do Shopbot pode ser para engajamento e informação do usuário, como é o caso do Shopbot Omni desenvolvido para a linha Respeito aos Cachos da Boticário. Abaixo case da campanha:

 

Conheça o canal de venda Shopbot Omni da Neomode e tenha um assistente virtual 24 horas, 7 dias na semana. Saiba mais sobre esse serviço e nos mande um e-mail com todas suas dúvidas para hello@neomode.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.